quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

In the new year

Como já passaram 15 dias desde o início do ano, acho que está na altura de fazer um balanço de 2009. Sim, escrevi bem, 2009. E, por uma questão de rigor, vou começar pelo último dia de 2008. Ora, vejamos:

31 de dezembro: ao entrar no trabalho, logo de manhãzinha pela fresca, as minhas botas-pantufa resolvem ter uma crise de identidade, começo a patinar e cinco/sete segundos depois estou estatelada no chão. Tudo bastante normal para uma desastrada como eu, não fosse ter dado uma valente cabeçada na porta. Resultado: uma sobrancelha aberta, sangue que dava para três tachos de arroz de cabidela, um penso gigante no olho e uma dor de cabeça descomunal. Fora este pequeno pormenor, trabalhei até às 3h, mudei de roupa no parque de estacionamento, pus-me a caminho de um antro lá para o lado das docas e quando cheguei percebi que não tinha coragem para entrar. Para acabar em grande, apanhei boleia com um cantor português muito conhecido (M-E-D-O! Só não faço mais comentários por respeito à minha amiga que o conhecia) e às 5h estava na caminha.

2 de janeiro: o meu contrato chegou ao fim. Adeus, adeus até à próxima. Olá desemprego! No mesmo dia a C. liga e diz: olha, a renda aumentou.

6 de janeiro: proposta de emprego. Prós: estabilidade e pouco trabalho. Contras: tudo o resto, o ordenado, o tipo de programa, a pouca (vá, nenhuma) evolução profissional e o facto de ir trabalhar com a pessoa que me andava a por um sorriso na cara todos os dias... A menina pensou, pensou, falou com o menino, a reacção dele foi, no mínimo, estranha e a menina não aceitou.

7 de janeiro: recebo uma sms do tal-que-me-andava-a-por-um-sorriso-na-cara a dizer qualquer coisa que se traduz como um "temos que falar".

9 de janeiro: ouço um upgrade mais sincero do "não és tu, sou eu", que foi esta coisa fofinha: "gosto de ti, mas não estou apaixonado".

10 de janeiro: regabofe no lux, encontro com o-que-podia-ser-o-homem-da-minha-vida-mas-não-é, abracinhos de saudades (porque já não nos víamos há pouco mais de uma semana) e ele diz-me isto: "ainda no outro dia disse a não sei quem que eras a mulher da minha vida". Foi irónico ouvir aquilo naquele dia, a seguir àquele outro dia e, por mais estranho que possa parecer, não foi nem bom, nem mau. Porque ele estava bêbado, porque ele sabe que é mentira e porque eu sei que é mentira. E, sobretudo, porque eu sou a amiga mais fixe, a dos copos, a das parvoíces, a irmã que nunca tiveram, a gaja com quem se enrolam e que não faz filmes, que não cobra no dia a seguir, enfim, a amiga e nunca mais do que isso.



Posto isto, acho que é perfeitamente legítimo concluir que vai ser uma grande ano, não acham?

5 comentários:

hugo patricio disse...

ahaahahahahaahh

P. disse...

posto isto... acho q é seguro dizer q daqui pa frente só poderá melhorar... vá... digo eu.

M. disse...

Gosto de ti mas não tou apaixonado é cruel mas vá, deve vir de alguém que não merece essa maravilhosidade toda :D

Pilipa disse...

Comentário do sexo masculino: "ahahahahhahaha"

Comentários das meninas:
"daqui pa frente só poderá melhorar..." e "é cruel mas vá, deve vir de alguém que não merece essa maravilhosidade toda"

E, pronto, está tudo dito. lol

M.,obrigada pelo "maravilhosidade".

Beijinhos a todos!

Madeline disse...

Ainda estou a digerir tanta informação...